A árvore Swarovski, em Zürich

Anualmente, numa linda viagem entre montanhas e vales, pegamos o trem de Lugano para Zürich com a intenção de curtir os dias que antecedem o Natal. É um ritual obrigatório. La mamma, nossa mãe, é de Zürich, portanto temos uma necessidade genética, de estar lá nessa magnífica época do ano.

No período do Advento (as últimas quatro semanas antes do Natal), Zürich é mágica, especial! Esta cidade é pequena se comparada às gigantes do continente americano. Ao entardecer, ela é tomada por uma sedutora luz quente, dourada, que serve de pano de fundo para salientar os inúmeros perfumes que pairam no ar: canela, vin brûlé, especiarias, cervelat (salsichões) grelhados, magebrot (pão de especiarias coberto com glacé), nideltäfeli (balas à base de manteiga e açúcar caramelizado)… e, naturalmente, muitas velas acesas nas centenas de estandes que sugerem presentes de todo tipo.

É a época em que aquela cidade da Suíça alemã, formal, séria, transforma-se num autêntico conto de fadas. Apesar do frio e da neve, todo mundo vai para as ruas. Todos passeiam, comem, bebem, se divertem. É realmente muito bonito o espírito natalino que toma conta de Zürich.

Conto de fadas à la Hänsel & Gretel

Dentre as atrações, certamente, a mais imponente é a arvore situada no monumental Hauptbahnhof (Estação Ferroviária Central, lembre-se que, nós suíços, andamos muito de trem). Ali, organizadissimamente enfileiradas, estão 160 casinhas que formam o lendário Christkindlimarkt, o Mercado do Menino Jesus, tradução do impossível idioma suíço-alemão. A árvore Swarovski, como é chamada, é um pinheiro de 15 metros de altura, ornamentado da cabeça aos pés por uma capa de cristais composta de 6.000 adereços de formatos variados, todos preciosos e brilhantes. A árvore só não brilha sozinha, porque é obrigada a dividir a gigantesca praça da estação de trem, com as roliças e coloridas figuras femininas da estatuária da escultora francesa de Niki de Saint Phalle que sobrevoam as cabeças encapuçadas dos passantes e pairam sobre as casinhas de Hänsel & Gretel.

Apesar de a altura e o tamanho das outras árvores Swarovski, erigidas nessa época do ano, não se compararem com a monumentalidade e o esplendor da nossa árvore de Zürich, essa tradição da Swarovski pode ser admirada em várias metrópoles do mundo. Como por exemplo, em Hong Kong, Pequim, Sydney e até no Rio de Janeiro, entre outras.

Swarovski: o brilho que vem da Áustria

Uma curiosidade. A ponta da lendária árvore do Rockfeller Center, em Nova York, também foi criada pela Swarovski. E falando em Swarovski aqui vai um breve curriculum para os esquecidos:

Swarovski é o nome da marca que batiza os mais célebres cristais do mundo fashion e da joalheria prêt-à-porter. O grupo inclui também empresas de alta tecnologia, produtoras, entre outras, de instrumentos óticos e maquinas de corte. Foi justamente quando seu fundador, Daniel Swarovski, inventou em 1892 a tal máquina de corte automática, que se criaram os celebérrimos cristais, na cidade de Wattens, na Áustria.

Mas, scusa, o papo está muito bom, mas precisamos correr! Começou o coral das crianças do Singing Christmas Tree, no Werdmühleplatz, outro point obrigatório, com outro lendário mercadinho… Merry Christmas!

 

Fotografias de Raffaella Perucchi

 

Swarovski

www.swarovski.com

Consulado Geral da Suíça São Paulo

www.eda.admin.ch/saopaulo