“Let’s Rock”, Oca, São Paulo

Queen, U2, Pink Floyd, Rolling Stones, Beatles, Red Hot Chilli Peppers, Nirvana, Foo Fighters, Coldplay, Led Zeppelin, Guns N’ Roses, Metallica, Bob Dylan, AC/DC, Kiss, Van Hallen, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, Legião Urbana, Ultraje a Rigor, Charlie Brown Jr., Raimundos, Ramones, Cazuza, Raul Seixas, Jimi Hendrix, Skank, Pato Fu, Elvis Presley, Iggy Pop, Artic Monkeys, Libertines, Audioslave… Tantas bandas e artistas diferentes e todos fazendo parte do mesmo ritmo musical. Para celebrar a diversidade e a importância do rock and roll na cultura mundial, a Oca, no Parque Ibirapuera, apresenta a grandiosa mostra “Let’s Rock”.

Quem não se arrepia com um solo de guitarra, a batida da bateria, o grave do baixo, que atire a primeira pedra. Metal, hardcore, rockabilly, punk rock, grunge, hard rock, emocore, indie, new wave. Todos esses estilos, entre muitos outros, fazem parte de um só ritmo, milhares de vozes e uma legião de fãs de todas as idades, gêneros e credos: o Rock’n’Roll. Para celebrar o mundo do rock, a Oca, no Parque Ibirapuera, recebe a maior exposição já realizada na América Latina sobre o ritmo musical, “Let’s Rock”.

Dez mil m² dedicado ao Rock

Os 10 mil metros dedicados a um dos mais revolucionários ritmos de todos os tempos são divididos em quatro ambientes. No subsolo estão seis containers, cada um dedicado a uma década do rock entre os anos 50 e 2000. No térreo está a linha do tempo do rock; no primeiro andar ficam os objetos pessoais dos grandes ídolos, como roupas e instrumentos musicais; no segundo uma projeção em 180º permite que os visitantes tenham a experiência de estar no meio de um show com uma multidão entorpecida pela música, pelo sonzaço.

Assista ao vídeo da música “Like a Rolling Stone”, de Bob Dylan, considerada pela revista Rolling Stone como a melhor música de todos os tempos:

Parada obrigatória

Registros históricos, vinis autografados, fotografias icônicas, pocket shows, imagens e instrumentos podem ser vistos na mostra da Oca. Destaque para o acervo de 75 fotografias do fotógrafo Bob Gruen, amigo pessoal de John Lennon e fotógrafo de bandas como The Clash e Led Zeppelin, e também para o trabalho dos fotógrafos brasileiros Otavio Sousa e Marcelo Rossi, que apresentam na mostra 200 imagens de artistas e shows que passaram pelo Brasil. Obrigatória para os fãs da boa música.

O início da revolução musical

A origem do rock remonta ao início da década de 50 nos Estados Unidos. Uma mistura inovadora de diversos ritmos musicais como o folk, o gospel, o blues e o R&B com acompanhamento de guitarra elétrica, bateria e baixo caiu no gosto jovem, na época, carente de uma cultura só sua. O som “barulhento” se juntou a um ritmo dançante frenético, as letras simples para decorar e músicos jovens com os signos da rebeldia, estava criada a bombástica fórmula do Rock’n’Roll. A primeira vez que se usou a expressão “rock and roll” no mundo é creditada ao DJ Alan Feed, que em 1951 tirou da manga o termo para descrever músicas de R&B em uma rádio em Ohio. Batizado, agora o novo ritmo, já caminhava para ser o estandarte da youth culture, a cultura jovem.

Assista ao vídeo do primeiro sucesso de Elvis Presley, “That’s All Right (Mama):

http://www.youtube.com/watch?v=e1s-E1WWipc

Transgressor shake, rattle and roll

Com ares de rebeldia e transgressão, o ritmo se tornou o preferido dos jovens e logo se espalhou por todo o mundo. Em 1954, o cantor Bill Haley e sua banda The Comets lançaram o sucesso “Shake, Rattle and Roll”, uma das primeiras músicas do novo estilo musical. No ano seguinte foi a vez de Elvis Presley estourar nas paradas com seu hit “That’s All Right (Mama)”. Chuck Berry, Little Richard, Jerry Lee Lewis e Carl Perkins foram outros estrondosos nomes do rock que surgiram na década de 50.

Os Beatles e o rock como voz da juventude

Nos anos 60 foi a vez de os britânicos fincarem sua bandeira, dominando o cenário do rock mundial com a formação dos Beatles, a banda de maior sucesso de todos os tempos. Os quatro jovens de Liverpool arrastaram multidões com seu sucesso “Love Me Do” e abriram caminho pra outra banda inglesa que revolucionou a música, os Rolling Stones, comandados por Mick Jagger. A década também foi marcada por manifestações contra a Guerra do Vietnã e o ritmo se tornou símbolo de manifestações políticas e pacifistas, como as letras de Bob Dylan.

Assista Janis Joplin cantando “Piece Of My Heart” no festival de Woodstock, em 1969:

http://www.youtube.com/watch?v=m2Nv85tAfcU

Make love, not war

Para marcar os anos 69, aconteceu o Festival de Woodstock, que se tornou um símbolo contra a Guerra do Vietnã, da paz, do ritmo e da juventude da época através de apresentações de Janis Joplin, Pink Floyd, The Doors e Jimi Hendrix, entre outros grupos.

Rock brasileiro

Por aqui o rock chegou no início da década de 60 através de sucessos como “Banho de Lua” e “Estúpido Cupido”, na voz de Celly Campello. Atentos ao sucesso do ritmo fora do Brasil, um grupo de jovens cantores que incluiu Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa criou a Jovem Guarda, que se tornou um sucesso absoluto com seu ritmo acelerado e letras mais românticas. Nos anos 70, a psicodelia de Raul Seixas e do grupo Secos e Molhados mostravam que o rock evoluía e ganhava outras caras, sem nunca perder o caráter de transgressão, e a brasilidade ganhou sua face no Tropicalismo dos Novos Baianos.

Circo Voador

Para o rock brasileiro, talvez a década mais frutífera tenha sido os anos 80, com o surgimento de grandes bandas que são ícones do rock nacional até os dias de hoje. No Rio de Janeiro, o palco do Circo Voador recebia Blitz, Kid Abelha e Os Abóboras Selvagens, Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho. Em São Paulo, a inspiração vinha do punk e do new wave com Kid Vinil, Ira!, Ultraje a Rigor e Titãs. Em Brasília, surge o Aborto Elétrico, que desmembrado deu origem a Legião Urbana e Capital Inicial. No Sul, surgiram Engenheiros do Havaí e Nenhum de Nós.

Assista à banda Queen tocando o sucesso “Love Of My Life” na abertura do primeiro Rock in Rio, em 1985:

O primeiro “Rock in Rio” e os filhos da ditadura

AC/DC, James Taylor, Scorpions, Rod Stewart, Whitesnake, Ozzy Osbourne e a grandiosa banda Queen. Mais de dez atrações internacionais de peso reunidas em um mesmo palco era um verdadeiro sonho realizado para fãs tupiniquins, que nunca imaginaram ter a oportunidade de participar de um evento de tamanha proporção. Pessoas do Brasil inteiro se juntaram na antiga cidade do rock, em Jacarepaguá, em um janeiro chuvoso – que acabou transformando tudo em um pântano já no segundo dia, depois do aguaceiro – e entoaram em uma só voz o clássico “Love Of My Life” junto com o ídolo Freddy Mercury, entre tantos outros. Era verdadeiramente um dos mais importantes momentos da história musical do país, e não só isso, o primeiro grande encontro da cultura jovem brasileira.

Diretas Já! e a força do rock

O ano era 1985, marcado pela transição da linha dura para a democracia. No final de 1984, o movimento das Diretas Já! levou os jovens às ruas para reivindicar a volta das eleições diretas para presidência, em uma luta por um país mais livre. Eram os filhos da ditadura, que cresceram com pais militantes – ou pais que viveram na carne a vergonhosa repressão política brasileira – e que exigiam um futuro, sem repressão, sem censura.

Roberto Medina, mega empresário do rock brasileiro

Foi no meio desse fervilhante cenário que o empresário Roberto Medina criou o Rock in Rio, dando a chance para esses mesmos jovens se reunirem em um único espaço, que tinha o objetivo de usar a música para aproximar, agregar, ajudar a marcar uma década tão importante. Uma década difícil, de onde toda a juventude saiu fortalecida dizendo “é melhor sair da frente que o futuro é meu”, como cantava Renato Russo na música “Admirável Mundo Novo”, da extinta banda Aborto Elétrico.

Franquia Rock in Rio

Considerado o Woodstock brasileiro, o Rock in Rio virou uma franquia que foi levada a outros países. O festival teve edições em Lisboa e Madrid, na Europa, voltou ao Brasil, em 2011, e tem edições programadas em outros países da América do Sul para os próximos anos, como Argentina e Chile, além de confirmada mais uma edição no Rio de Janeiro em 2013, atestando ao vigor do rock que não envelhece jamais e está mais jovem que nunca.

 

Let’s Rock

Oca – Parque do Ibirapuera

Av. Pedro Álvares Cabral, S/N, portão 3, Moema

Tel: 11 4003-1212

Até 27/5 das 10h às 22h

De R$ 10 a R$ 20

www.letsrockexpo.com.br