Martini, o Rei dos Coquetéis

Dry Martini

Martini é um dos coquetéis mais conhecidos no mundo. Há várias versões sobre sua origem e autoria, mas parece que a mais confiável conta que o drink foi criado em 1911 por um barman de prenome Martini do Hotel Knickerbocker em Nova York. Era um blend de gin – gim em português – em partes iguais de London Dry Gin, vermute Noilly Prat e bitter de laranja. Depois de gelado era coado e servido em copo também gelado. Para os habitues do bar que solicitavam variações ele acrescentou a azeitona.

Ao mesmo tempo em que se tornou mundialmente conhecido, principalmente graças ao cinema, começaram a aparecer versões mudando os ingredientes, as proporções e até o método de preparo. Uma das mais recentes foi a substituição do gin por vodka e de bater a mistura ao invés de mexer conforme a tradição seguida pelos barmen. Os puristas dizem que um coquetel cuja base é outra bebida não pode ser considerado um verdadeiro Martini, exceto pequenas variações na decoração identificadas por nomes próprios. Eis alguns:

  • ‘Dickens’ – Martini sem azeitona
  • ‘Gibson’ – Martini com duas cebolinhas de coquetel
  • ‘Franklin’ – Martini com duas azeitonas
  • ‘Buck Eye’ – Martini com azeitona preta
  • ‘Naked’ – Martini sem nenhum vermute

A única mudança significativa é o ‘Vesper’ criado por Ian Fleming em 1953 no primeiro filme Casino Royale da série com James Bond. A receita é um Martini batido com 90ml de gin, 30ml de vodka,15ml de Lillet blanc e twist de limão.

Quanto menor a quantidade de vermute adicionado ao gin mais seca será a mistura, sendo que os bebedores exigentes são muito específicos sobre o nível desejado. Como referência, no “dry” o vermute entra com 20%, no “extra-dry” algumas gotas e no “extra, extra-dry” nada. Apenas gin puro. Barmen e fanáticos apreciadores muitas vezes tentam superar-se com suas teorias sobre como preparar um Martini mais seco possível. Uma delas é atribuída a Winston Churchill, um grande aficionado que os preparava pessoalmente. Dizem que ele colocava gin puro no copo e depois olhava rapidamente para uma garrafa de vermute do outro lado da sala. Estava preparado seu Martini.

O Martini autêntico tem de ser preparado na hora e servido de maneira tradicional. São necessários gin inglês, vermute Noilly Prat, copo misturador, colher bailarina e coador de bar. A receita manda 8 partes de gin para 2 de vermute, mas é permitido diminuir este último à vontade. O gin e o vermute devem ser colocados sobre 4 cubos de gelo no copo e mexido com a colher por uns 30 segundos, coado para o clássico copo de coquetel gelado e servido com uma azeitona verde de preferência recheada. Quem não preparar dessa maneira com certeza não estará tomando o drink que se consagrou como um ícone entre todos os demais.