Shigeru Ban, o vencedor do Pritzker 2014

A edição de 2014 do Prêmio Pritzker, o Oscar da arquitetura, premiou o japonês Shigeru Ban, famoso por desafiar as noções tradicionais de espaço ao usar materiais como papelão e plástico.

Arquitetura geralmente envolve criar prédios e estruturas de materiais como aço e concreto, que permaneçam nos lugares escolhidos para sua construção. Ainda assim, esse ano o prêmio mais importante do segmento, Pritzker Awards, foi dado ao arquiteto japonês Shigeru Ban, famoso por criar casas e prédios temporários feitos de materiais como tubos de papel, papelão e engradados de cerveja de plástico.

Nascido em 1957 em Tóquio, Japão, Ban estudou na Universidade de Artes de Tóquio, no Instituto de Arquitetura da Califórnia e na Escola de Arquitetura da Cooper Union, onde se formou em 1984. O arquiteto é conhecido por desafiar as noções tradicionais de espaço doméstico que significam ter um teto sobre a cabeça com construções, como em sua Curtain Wall House em Tóquio, que tem paredes de cortinas linkando o interior ao exterior. Outro destaque de sua carreira foi o santuário feito em tubos de papelão impermeabilizados na Nova Zelândia, depois que a Christchurch Catedral, uma igreja do século 19, foi destruída por um terremoto em 2011.

Seu trabalho humanitário merece destaque. Ban passou a ter maior engajamento depois de conhecer as condições dos campos de refugiados em Ruanda, em 1994. O arquiteto dedicou grande parte de sua carreira na construção de projetos de menor custo, pensando na sociedade e não somente nos privilegiados. Na época, desenvolveu protótipos para tendas construídas de papelão e habitações de emergência com alicerces feitos de engradados de cerveja e paredes de tubo de papel, pensando no terremoto que aconteceu em Kobe, no Japão, e deixou milhares de pessoas desalojadas. Turquia, Índia, China e Haiti foram outros países que receberam sua arquitetura de apoio.

Um dos grandes destaques de sua carreira foi o projeto do Pompidou Centre-Metz, feito em parceria com Jean de Gastines e Philip Gumuchdjianm, em 2004. Mesmo na liderança de um prédio de grande porte permanente, Ban não abandonou seu conceito de sustentabilidade e fez um escritório temporário de tubos de papel no térreo do Centre Pompidou de Paris durante a obra.

 

http://www.shigerubanarchitects.com/

http://www.pritzkerprize.com/